• Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

    Junte-se a 649 outros seguidores

  • Arquivos

  • Login

  • Contacto:

    e-mail:
    anopcerco@gmail.com

    fax:
    +351 262 780 370

Anúncios

Ficha IPMA: Sardinha – Sardina pilchardus

Instituto Portugues do Mar e Atmosfera - Homepage

sardina-pilchardus-foto

 

Ficha técnica sobre sardinha no site do IPMA, com dados sobre a sua identificação, biologia, distribuição e habitat, pesca, projectos e outras informações.

 

aceder aqui

imagens

 

Este slideshow necessita de JavaScript.


Portaria nº 28/2018 – Espécies acessórias – pesca do cerco

Portaria n.º 28/2018 – Diário da República n.º 15/2018, Série I de 2018-01-22

MAR

Estabelece, para o ano de 2018, um regime excecional para a captura de espécies acessórias nas pescarias de cerco, relativamente ao previsto no n.º 2 do artigo 7.º do Regulamento de Pesca por Arte de Cerco

España y Portugal defienden la pesca de sardina

España y Portugal han defendido en Bruselas el mantenimiento de la pesquería de la Sardina Ibérica en niveles que garanticen su sostenibilidad Este Plan, que incluye  vedas temporales para la recuperación de juveniles, tallas mínimas o limitaciones de desembarques, permitiría el mantenimiento de la pesquería,y recuperar la biomasa. La información aportada ha sido recogida con interés y en el marco de este diálogo, la Comisión ha solicitado información adicional sobre algunos de los elementos contenidos en la propuesta

La directora general de Recursos Pesqueros del Ministerio de Agricultura y Pesca, Alimentación y Medio Ambiente, Isabel Artime, junto con su homóloga portuguesa y sus respectivos equipos, mantuvieron el lunes en Bruselas una reunión técnica con los servicios de la Comisión Europea, para explicar con detalle la propuesta de Plan plurianual de gestión para la recuperación de la Sardina Ibérica elaborado por ambos países.

Este Plan, que ya fue trasladado a la Comisión el pasado mes de diciembre, permitiría el mantenimiento de la pesquería, a la vez que asegura una recuperación de la biomasa, evitando así el cierre propuesto por el Consejo Internacional para la Exploración del Mar (ICES).

El plan de gestión propuestoincluye elementos como las vedas temporales para la recuperación de juveniles, tallas mínimas, limitaciones de desembarques, y el refuerzo de controles, así como de la investigación científica para la evaluación y seguimiento de las medidas propuestas.

La información aportada ha sido recogida con interés y en el marco de este diálogo, la Comisión ha solicitado información adicional sobre algunos de los elementos contenidos en la propuesta. Los equipos de España y Portugal han acordado mantener un encuentro bilateral, que tendrá lugar en Lisboa a mediados de la semana que viene, con el fin de ultimar la información solicitada.

España y Portugalseguirán trabajando conjuntamente para asegurar el mantenimiento de esta pesquería a unos niveles que garanticen su sostenibilidad.

 

fontes:

Europa Azul, 17.01.2018

Huelva Informácion, 17.01.2018

 

El cerco encara el año con un 20% menos de cupo en el primer reparto de Madrid

La Opinión de A CoruñaEl segmento de flota tiene 5.800 toneladas menos en jurel, caballa y anchoa – El sector asume un curso “más que complicado”

 

El primer reparto de las cuotas para el Cantábrico Noroeste realizado por el Gobierno central ya está en manos del sector pesquero gallego aunque todavía no se publicó en el Boletín Oficial del Estado. Este primer borrador deja una fuerte reducción en las posibilidades de pesca de las principales especies de la flota, entre las que destaca el cerco, que dispondrá este año de 5.800 toneladas (un 20%) menos de jurel, caballa y anchoa que en 2017. Los cerqueros ya trasladaron a Madrid la incertidumbre de si podrán rentabilizar la pesca en 2018.

El sector asegura que no habrá cambios significativos en las cantidades presentadas por la Secretaría General de Pesca pese a tratarse de un borrador (en el que faltan las cuotas sobrantes del año pasado). La reducción acordada en Bruselas el pasado mes para el jurel de la zona IXa (de Fisterra al golfo de Cádiz) del 24%, deja la cuota final en 14.373 toneladas, que para el cerco es un 20,2% menos. Este segmento de flota asumirá en la zona VIIIc (de Fisterra al País Vasco) un descenso del 14,8% a pesar del aumento del 21% aprobado por el Consejo de Ministros de Pesca de la Unión Europea.

Pero no solo eso. La reducción del 20% en la caballa deja al cerco español con un 23,3% menos de cuota tras el reparto con el arrastre y las flotas de otras artes. Sumado esto al descenso de capturas de la sardina -todavía está por ver si Bruselas acepta o no la propuesta de España y Portugal, que reduce el tope máximo-, fuentes de la Asociación de Armadores de Cerco de Galicia (Acerga) entienden que tienen por delante “un año más que complicado”. Su portavoz, Andrés García, explica que ya enviaron sus “observaciones” por este primer reparto y resalta las malas perspectivas: “Esperemos que no se de un amarre en pocos meses”.

El cerco no es el único perjudicado respecto al año recién finalizado. El arrastre de litoral dispondrá de un 5,2% menos de cuotas al descender la de merluza, además de la de caballa y la de jurel. El aumento del cupo de gallo (un 19,6%, hasta 1.280 toneladas) no es suficiente para paliar las reducciones, que dejan un balance de 3.500 toneladas menos si se contabilizan las que se pueden capturar en aguas de Portugal.

Para otros artes distintos del arrastre y del cerco, la disminución será también del 20%, al disponer de 3.100 toneladas menos que en 2017, debido a la fuerte rebaja en la caballa, especie principal para esta flota que cada año sufre en Galicia para poder afrontar sus capturas.

El reparto de anchoa en la zona IXa vuelve a dejar solo el 1,14% para los buques gallegos, con lo que de las 5.977 toneladas de cuota (no varió) la flota de Galicia tendrá 68,1. El año pasado los barcos de la comunidad agotaron en pocos días su cupo y sobrepasaron el límite.

La sardina

Portugal publicó la prohibición de pescar sardina hasta el próximo 30 de abril, lo que supone un mes más de veda respecto al año pasado y de acuerdo al plan de recuperación presentado a la Comisión Europea junto a España a principios del mes pasado. Bruselas todavía no estableció si da el visto bueno al plan (que incluye rebajar el tope hasta las 14.600 toneladas y otras medidas para preservar la especie), pero Portugal ya da por sentado que la pesca de la especie no será prohibida y que todo irá conforme lo previsto. Según lo firmado por la ministra del Mar lusa, Ana Paula Vitorino, la campaña de la sardina comenzaría el 1 de mayo.

 

fonte: La Opinion | Coruna, 14.01.2018

COMISSÃO DE AGRICULTURA E MAR – Audição da Ministra do Mar

16 de  janeiro de 2018 – Audição da Sra. Ministra do Mar na Comissão Parlamentar de Agricultura e Mar da Assembleia da República sobre a pesca da sardinha

 

ver vídeo: ARTV 16.01.2018

Governo garante que os apoios aos pescadores chegam até ao final de fevereiro

O secretário de Estado das Pescas garantiu esta terça-feira que as ajudas aos pescadores, na sequência da proibição temporária da captura da sardinha, vão ser pagas até ao final de fevereiro.

 

“Apresentamos à Comissão Europeia (CE) um plano plurianual concertado com Espanha. Portugal optou por apoiar [os pescadores] por um mês. Temos cerca de 90 candidaturas em análise, a maior parte serão pagas até ao final de fevereiro, mas algumas ainda em janeiro”, disse José Apolinário, durante a audição parlamentar na Comissão de Agricultura e Mar.

Em causa estão pagamentos na ordem dos 960 euros, sendo o custo total estimado em três milhões de euros.

José Apolinário referiu que foram também definidos limites à captura do biqueirão, de modo a garantir a “rentabilidade” da quota.

A interdição de pesca até ao dia 30 de abril abrange as embarcações licenciadas para operar com artes de cerco na zona 9, desde a Galiza ao Golfo de Cádis, e que foi definida pelo Conselho Internacional para a Exploração do Mar (CIEM).

 

fontes:

SAPO24, 16.01.2018

Correio da Manhã, 16.01.2018

Diminuição do `stock` da sardinha dura há quase 20 anos e tem por base as alterações climáticas defende ministra

A ministra do Mar considerou hoje que a diminuição do `stock` da sardinha é um problema que dura há quase 20 anos e que tem por base as alterações climáticas.

“É um problema que dura, de uma forma muito visível há quase 20 anos e, com o passar do tempo tem-se agravado e tornou-se inevitável começar a tomar decisões políticas sobre a matéria”, disse Ana Paula Vitorino, durante a audição na Comissão parlamentar de Agricultura e Mar.

Para a ministra do Mar, a base da questão “não tem a ver com a sobrepesca, mas sim com as alterações climáticas”.

“O ponto de partida para este ano foi pesca zero. Os resultados apresentados pelo ICES [Conselho Internacional para a Exploração do Mar] não foram bons, mas também não foram piores do que o ano passado e também se registou crescimento. Daí não haver fundamentação, no entender dos Governos de Portugal e Espanha para que se registasse a anulação da pesca”, sublinhou.

Apesar de admitir que as medidas que têm vindo a ser tomadas podem demorar algum tempo a surtir efeito, Ana Paula Vitorino nota que o cruzamento da capacidade de desenvolvimento da sardinha em cativeiro com as zonas de não pesca podem levar a um repovoamento da espécie, a nível dos juvenis, e a uma produção “em maior escala e com maior proteção”.

“Decidimos que o mínimo de aumento da biomassa tem que ser um crescimento de 5%. A Comissão Europeia contrapôs com 10%. Aquilo que nós e os espanhóis entendemos é que não é só uma questão de biomassa, mas de atuar sobre a mortalidade e os juvenis. Podemos atingir os 10% não diminuindo o número de capturas, mas jogando com as medidas que definem onde, quando e como se pode capturar”, concluiu.

Um parecer científico do ICES, divulgado a 20 de outubro do ano passado, concluiu que a pesca da sardinha deveria ser proibida este ano, em Portugal e Espanha, face à redução acentuada do `stock` na última década, que caiu de 106 mil toneladas em 2006 para 22 mil em 2016.

Já há dois anos, em 2016, o mesmo organismo científico recomendou uma paragem completa da pesca da sardinha em Portugal, durante um período mínimo de 15 anos, para que o `stock` de sardinha regressasse a níveis considerados aceitáveis.

 

fontes:

RTP Notícias, 16.01.2018

Público, 16.01.2018

Observador, 16.01.2018

Diário de Notícias, 16.01.2018

Pesca de biqueirão pode ser encerrada em algumas áreas e períodos do ano em 2018

O Governo reduz, a partir de terça-feira, os dias e limites de captura diária de biqueirão permitidos este ano, e ainda possibilita encerrar esta pesca “em determinadas áreas e períodos” do ano, segundo uma portaria hoje publicada.

A redução da quota de pesca de biqueirão foi acordada em meados de dezembro último, numa maratona negocial em Bruxelas, decidindo os ministros das Pescas da União Europeia reduzir este ano 20% daquela quota, uma medida contestada pela Associação Nacional das Organizações dos Produtores da Pesca do Cerco (ANOPCERCO).

Para Portugal, a diminuição desta quota entra em vigor na terça-feira, segundo uma portaria assinada na quinta-feira, e hoje publicada, pela ministra do Mar, Ana Paula Mendes Vitorino.

Na subzona 09 do Conselho Internacional de Exploração do Mar, que vai desde a Galiza até ao Golfo de Cádis, a partir de terça-feira, a pesca dirigida ao biqueirão passa a estar autorizada apenas entre as 00h00 horas de segunda-feira e as 24h00 horas de quinta-feira.

O Governo esclarece que, independentemente da arte usada na captura, é proibida fora daquele período autorizado a captura, manutenção a bordo e descarga de biqueirão naquela subzona.

E acrescenta que, em cada dia, não é permitido manter a bordo ou descarregar biqueirão para além dos limites de 3.375 quilos (kg) para as embarcações com comprimento ‘de fora a fora’ superior a 16 metros e de 1.688 kg para as embarcações com comprimento inferior ou igual a 16 metros.

Mas o modelo definido pela ministra do Mar é de gestão flexível, dando a possibilidade de ajustar os limites diários em função da evolução das descargas, a concretizar por despacho do diretor-geral dos Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos, ouvidas as Organizações de Produtores representativas.

Dentro daqueles limites consoante o tamanho da embarcação, permite às Organizações de Produtores (OP), no âmbito das respetivas normas de gestão, estabelecerem limites de descarga por embarcação e, ainda, limites de descarga de exemplares de certas classificações de tamanho.

“Em função da evolução da utilização da quantidade disponível e da informação científica sobre a abundância e tamanhos de biqueirão em determinados pesqueiros”, o diretor-geral da Direção-Geral dos Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM) pode emitir um despacho a publicitar, na respetiva página da internet, outras limitações.

Entre essas limitações, o diploma define que o diretor-geral pode determinar a fixação de interdições de pesca em determinados dias da semana ou alterar limites de 3.375 kg para as embarcações com comprimento superior a 16 metros e de 1.688 kg para as inferiores a 16 metros.

O despacho do diretor-geral pode também determinar o “encerramento, em tempo real, da pesca em determinadas áreas e períodos”, uma decisão a tomar “em função da evolução da utilização da quantidade disponível e da informação científica sobre a abundância e tamanhos” de biqueirão em determinados pesqueiros.

No acordo alcançado em 13 de dezembro em Bruxelas, as capturas de pescada em águas nacionais sofreram um corte de 12%, abaixo dos 30% inicialmente propostos por Bruxelas, e as capturas de carapau baixam 24%.

Em águas nacionais vão aumentar este ano as quotas de pesca de raia (15%), lagostim (13%) e areeiro (19%), mantendo-se as quotas de julianas, solhas, linguados e tamboris.

fontes:

RTP Notícias, 15.01.2018

Expresso, 15.01.2018

%d bloggers like this: